Nossa Trajetória

Há 60 anos, nosso negócio é transformar. A capacidade de nos reinventarmos nos tornou um dos líderes na produção de alumínio primário no Brasil, com uma das maiores fábricas integradas de alumínio do mundo.
Descubra como chegamos até aqui

Histórias de Transformação

Temos orgulho de escrever a nossa história participando de tantas outras ao longo destes 60 anos.
Conheça quem fez e faz a CBA

Onde tem alumínio?

O alumínio é o metal não ferroso mais consumido do mundo, utilizado em quase todos os setores econômicos.

Como produzimos?

Dos carregamentos de bauxita vindos das unidades de Mineração à produção de toneladas de alumínio na fábrica da CBA: um grande processo de transformação.
Saiba como produzimos 475 mil toneladas anuais do metal

Curiosidades

No início, produzíamos cerca de 4 mil toneladas por ano. Hoje, a fábrica tem capacidade de produzir 475 mil toneladas anuais de alumínio, em seus quase 700 mil m² de área construída.
Confira tudo sobre o nosso universo

Nossa Trajetória

De uma pequena fábrica para uma das empresas líderes do cenário econômico brasileiro. Há 60 anos, a Companhia Brasileira de Alumínio – a CBA – começava a sua trajetória rumo ao sucesso.

Onde tem alumínio?

Transformamos nossa matéria-prima no alumínio que conserva alimentos, que transporta, que traz praticidade ao dia a dia, que integra construções e que está presente na sua vida.

Aplicações do alumínio CBA:

Embalagem

Construção Civil

Transporte

Bens de Consumo

Energia

Catálogo de Produtos

Como produzimos?

Diariamente, a fábrica de Alumínio (SP) da CBA recebe carregamentos da bauxita, que, após processos químicos, transforma-se nos mais diversos produtos que distribuímos Brasil afora.

Toneladas de bauxita,

vindas das minerações da Votorantim Metais, chegam à fábrica da CBA, na cidade de Alumínio (SP).

Primeiro, a bauxita é moída

e misturada a outros elementos, tornando-se uma forma pastosa e densa.

Essa pasta é misturada

com soda cáustica, a 150ºC, e percorre algumas etapas, como decantação, filtragem, precipitação e calcinação, transformando-se em óxido de alumínio – também chamado de alumina.

A alumina é levada para fornos,

nos quais, por meio de reações estimuladas por correntes elétricas, torna-se alumínio líquido.

Seguindo o processo,

o alumínio líquido é encaminhado para a fundição, onde torna-se sólido. Assim, surge o alumínio primário.

Na sequência,

o alumínio primário assume cinco formas diferentes: lingotes, tarugos, rolos caster, placas e vergalhões.

Os produtos primários

passam pelo processo de transformação plástica, originando os produtos transformados, como: chapas, bobinas, folhas, perfis extrudados e telhas.

Distribuídos por todo o país,

esses produtos transformados são utilizados em diversas aplicações, tais como: embalagens, janelas, eletrodomésticos e laterais de ônibus.